Em 2005, o programa Matas Legais, uma parceria entre a Apremavi e a Klabin, contava com 11 participantes. Em 2007, o programa já alcançava 232 produtores rurais no estado de Santa Catarina.

Este salto se explica pelos benefícios viabilizados com o Matas Legais: o desenvolvimento de ações que proporcionam preservação do meio ambiente e melhoria de qualidade de vida para os produtores e suas famílias.

Este foi o caso de Rogério Proença, de Casa Vermelha, em Otacílio Costa (SC). Em 2005, sua propriedade era uma área de pasto limpo sem nenhuma regeneração, com nascente de rio e Areas de Preservação Permanente (APP) descobertas. Com o Matas Legais, a área a ser recuperada foi delimitada e ele recebeu a doação de 2.300 mudas. Em janeiro de 2007, a área já apresentava recuperação, mesmo tendo sofrido com geadas. E em dezembro, uma densa vegetação, caracterizada como capoeirinha, com espécies chegando a quatro metros de altura já cobria o local.

Assim como Proença, outras propriedades seguem o mesmo caminho de sustentabilidade aberto pelo Matas Legais. Entre 2006 e 2007, o programa proporcionou a participação de produtores rurais, alunos e professores de escolas públicas em cerca de 50 eventos, entre seminários, cursos, exposições e outros, promovidos pela Klabin, Apremavi, secretarias de Agricultura e Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina). "Os resultados apontados pelo Matas Legais são muito importantes, porque demonstram que é possível colocar em prática os conceitos do cumprimento da legislação, aliados ao desenvolvimento sustentável", reforça Miriam Prochnow, Diretora Institucional da Apremavi.

O Matas Legais é voltado principalmente para produtores integrantes do Programa de Fomento Florestal da Klabin nas modalidades do Propflora (Programa de Plantio Comercial e Recuperação de Florestas) e do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). Entre 2005 e 2007, o Programa doou cerca de 258 mil mudas de espécies nativas – quantidade suficiente para recuperar mais de 80 hectares de matas.

O Matas Legais está em sintonia com a Política de Sustentabilidade da Klabin, na qual a empresa se compromete a assegurar o abastecimento de madeira plantada para suas fábricas de forma sustentada, preservando os ecossistemas naturais associados. “O que estamos fazendo é ir até as propriedades, muitas delas devastadas, e ajudar as pessoas a recuperar o meio ambiente e ainda desenvolver atividades sustentáveis, que gerem renda para a família”, explica Aldezir Pucci, gerente da Unidade Florestal da Klabin em Santa Catarina.

Com os bons resultados do programa no Planalto Serrano e no Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina, a Klabin e Apremavi planejam a extensão do Matas Legais para o Paraná ainda em 2008.

Saiba mais sobre o Matas Legais

O Programa Matas Legais é uma parceria da Apremavi com a Klabin para o desenvolvimento de ações de planejamento da propriedade rural, conservação, educação ambiental e fomento. Tem como objetivo ajudar a preservar e recuperar os remanescentes florestais nativos, melhorar a qualidade de vida da população e aprimorar o desenvolvimento florestal, com base no planejamento das propriedades e paisagens.

Uma das prioridades do programa é promover a recuperação de Áreas de Preservação Permanente, ligadas aos recursos hídricos, ou seja, nascentes, riachos e rios. O planejamento rural também promove a preservação de espécies da Mata Atlântica ameaçadas de extinção, como araucária, imbuia, canela-preta, sassafrás, cedro, canjerana, ipê-amarelo, ipê-roxo, entre outras. Desta forma, o programa contribui para manutenção e incremento da biodiversidade local, mantendo, por exemplo, os chamados corredores ecológicos, áreas em que as espécies nativas vivem e se reproduzem.

Do ponto de vista socioeconômico, a Apremavi e a Klabin mantêm um ciclo que garante o suprimento sustentável de madeira plantada para a produção de papéis, gerando renda aos produtores e contribuindo para a preservação do meio ambiente. Isto porque as atividades de fomento florestal tem por objetivo formar florestas em áreas ociosas e marginais das propriedades rurais, incorporando-as ao processo produtivo da empresa, garantindo uma poupança futura para os pequenos e médios proprietários e, conseqüentemente, sua fixação na terra.

A palavra “legal”, assim, remete a dois sentidos – o do cumprimento da legislação ambiental vigente e o ligado a um lugar agradável, bonito e bom de viver para todos.

 


Leandro da Apremavi, coordenador do projeto, entregando material para o Sr. Martendal

Sobre a Apremavi

A Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi), é uma instituição sem fins lucrativos fundada em 1987. Assume o papel de vanguarda no que se refere aos problemas ambientais do Estado de Santa Catarina, apontando agressões ambientais e tomando iniciativas para solucioná-las por meio de ações educativas, produção de mudas florestais nativas, projetos de reflorestamento e recuperação de áreas e práticas de agricultura orgânica.

Sobre a Klabin

A Klabin é a maior produtora, exportadora e recicladora de papéis do Brasil. É líder na produção de papéis e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado e sacos industriais, além de comercializar madeira em toras. Fundada há 108 anos, possui 17 unidades industriais no Brasil e uma na Argentina. Foi pioneira no Brasil a ter suas florestas e seus processos produtivos certificados pelo FSC (Forest Stewardship Council), confirmando que a empresa desenvolve suas atividades dentro dos mais elevados padrões socioambientais.

Pin It on Pinterest