Um ano atrás a estudante Greta Thunberg, de 16 anos, começou a faltar às aulas todas as sextas-feiras para protestar em frente ao parlamento sueco contra a crise climática.

Na mente de Greta não fazia sentido frequentar aulas num mundo onde as possibilidades de futuro são cada vez mais escassas, considerando o agravamento da destruição causada pelas mudanças climáticas. Ela se perguntou: por que gastar esforços e recursos para ser educado, se nossos governos não estão antenados no que realmente importa, que é reverter o aquecimento global e dar uma chance de futuro para nós?

Os questionamentos e protestos de Greta ganharam proporções globais e nesta sexta (15), estudantes de centenas de cidades de todos os continentes irão aderir ao movimento Fridays for Future, sextas-feiras pelo futuro, em prol de um futuro sustentável para o planeta.

Apesar de o Brasil ainda não preparar os jovens para o entendimento climático, o Engajamundo, uma organização de liderança jovem que atua para abrir caminhos para a participação da juventude nas decisões políticas internacionais, está por traz da organização de vários dos 24 protestos agendados para hoje. “O nosso país não tem nenhuma política educacional sobre clima aplicada nas nossas escolas, os nossos jovens não são formados sobre a importância de falar sobre o tema, e acima de tudo, são minados todos os momentos dos seus direitos de manifestação e pensamento crítico”, afirma um dos coordenadores do Engajamundoo, o cientista social Iago Hairon.

Jejum climático

Ainda na lógica da necessidade de conscientização, o parceiro da Apremavi, Clovis Horst Lindner, escreveu um texto sobre o tema. Confere aí:

Eis um desafio à altura dos dias que vivemos no planeta. As igrejas estão propondo uma ação de jejum durante o tempo da Quaresma que dê uma contribuição significativa na redução dos graves problemas climáticos que já atingem nosso planeta e que seguramente irão se agravar nos próximos anos. A ação iniciou na quarta-feira de Cinzas, dia 6 de março, e se estende até a Páscoa e pretende fazer com que repensemos nosso próprio jeito de agir em relação ao meio ambiente.

O objetivo é desenvolver uma “ética do suficiente“, ou seja, que sejamos responsáveis e usemos apenas aquilo que realmente necessitamos, reduzindo o consumismo que move a nossa vida. A campanha está debaixo do mesmo lema que foi praticado pelo povo de Israel durante sua travessia do deserto, com relação ao maná: “O suficiente para cada dia…” (Êxodo 16), sem acumular, sem pegar mais do que a necessidade de cada um.

Quem acompanha com um pouco de atenção os nossos hábitos de consumo, sabe que vivemos numa sociedade de amplo exagero. O desperdício de comida gira na faixa dos 30 por cento. Um péssimo hábito é comprar demais, encher a despensa e jogar fora quando a validade vence. Regras básicas aqui seriam: pegar só o que se consegue comer (sem ter que largar comida no prato) e comprar só o que pode ser usado em curto prazo sem ter que jogar fora porque comprou demais. Isso vale para alimentos perecíveis e duráveis (de bananas a arroz e feijão, passando pelas conservas).

Outros hábitos também podem ser mudados: Ir a pé numa distância até um quilômetro (deixar o carro na garagem em pequenas distâncias), ou adotar o uso da bicicleta em trechos mais próximos e, em distâncias até o centro da cidade, por exemplo, usar o transporte coletivo com mais frequência.

Também repense seu hábito em prédios: JAMAIS use o elevador para subir ou descer um único andar. Vá pela escada. Com o tempo, isso pode ampliar-se até para subir até o terceiro andar… Tente, você consegue!

O ar-condicionado deve ser usado apenas em temperaturas acima dos 25 graus, com o botão regulado em 25 graus. Até aí, nós suportamos sem maiores problemas a temperatura ambiente. Não fomos feitos para viver dentro de uma geladeira, não é mesmo? Afinal, somos de carne e osso, mas nem de longe somos tão frágeis quanto um bife ou uma fruta.

Uma atitude super-importante é a redução das suas emissões de CO2. Com nossos hábitos de consumo, nós emitimos 12 toneladas de CO2 por ano. Para reduzir isso, precisamos adotar 12 árvores adultas que sequestram este CO2 (cada árvore adulta sequestra uma tonelada de CO2 por ano). Portanto: PLANTE ÁRVORES! Se você não tem espaço, apoie entidades que fazem isso por você, como a APREMAVI, por exemplo.

Uma última atitude ética com a natureza é o cuidado com os seus resíduos. E, preste atenção, isso NÃO serve somente para esses 40 dias, mas para toda a sua vida. Qual seja: 1) Separe os resíduos (reciclados, compostagem e rejeitos) e destine corretamente; 2) O seu lixo cola em você (nada de atirar em qualquer lugar, leve até a lixeira mais próxima ou fique com ele até encontrar uma!); 3) Seja um inimigo da indústria de embalagem (evite a sacolinha do supermercado, compre produtos com menos embalagens).

Com atitudes simples, movidas pela ética da redução do consumo, você pode fazer a sua parte. E não pense que só você está colaborando e, portanto, nada vai mudar! Tem muita gente que está nessa. Entre nisso com a gente e vamos cuidar da Criação de Deus!