O Pau-Cigarra (Senna multijuga) é uma espécie nativa, muito ornamental, também conhecida como Cigarreira, Caqueira, Aleluia e Cássia verrugosa. Ocorre em quase todo o país, principalmente na Mata Atlântica.

Dois de seus nomes populares, "pau-cigarra" e "cigarreira", fazem menção ao fato de ao final do verão, seu tronco normalmente encher-se de exúvias (cascas) de cigarras. Alguns dizem que a cigarra explode de tanto cantar, deixando a casca. Na verdade a casca vista é o esqueleto externo da fase larval das cigarras. A fase cantora é efêmera, durando dias, enquanto as larvas duram entre um a três anos, dependendo da espécie. A larva é sugadora, parasita de raízes de várias plantas.

Depois de muito sugar, passa por um processo de muda, subindo pelo tronco da árvore parasitada, deixando apenas seu exoesqueleto ou exúvia, "virando" uma cigarra voadora, cantora e reprodutora, que também suga seiva das árvores hospedeiras. Após a reprodução ela morre, seus ovos eclodem no solo ou no tronco, indo de novo sugar a seiva das raízes, durante um longo período¹. O tatu, sabendo disso, consegue identificar e cavar as suas raízes em busca destes insetos.

O Pau-cigarra, bem como outras cássias, são muito apreciadas pelas cigarras. A morte sem sinal aparente dessas árvores é muito comum, em virtude da sucção contínua da seiva das raízes por larvas em grande quantidade, e até mesmo adultos, de cigarras¹.

É uma planta que perde suas folhas no inverno (decídua), precisa de muita luz para seu desenvolvimento e se adapta bem a diversos tipos de solos. Como é uma planta heliófita (que precisa de luz) e pioneira, é muito útil em projetos de restauração de áreas degradadas e matas ciliares. Para a arborização urbana é também muito empregada, pois é extremamente ornamental florescendo por longo período (dezembro-abril). Além dessa característica, possui pequeno porte e forma estreita da copa, é particularmente indicada para a arborização de ruas estreitas sob redes elétricas.

A árvore tem de 6 a 10m de altura, com tronco de 30 a 40 cm de diâmetro. A madeira é leve, mole e de baixa durabilidade quando exposta as intempéries. Pode ser empregada para caixotaria leve, confecção de brinquedos e lenha.

Nessa época encontram-se vários exemplares de Pau-cigarra floridos no Viveiro Jardim das Florestas, assim como nas propriedades que ficam na Estrada Geral Alto Dona Luiza, que dá acesso à Apremavi. É uma ótima dica de passeio para quem gosta da natureza.

Pau-Cigarra

Nome cientifico: Senna multijuga (Rich.) H.S. Irwin & Barneby
Nomes populares: Cigarreira, pau-cigarra, caquera, aleluia, canafístula
Família: Leguminosae-Caesalpinioideae
Utilização: madeira utilizada para a fabricação de caixas e lenha. Espécie indicada para paisagismo urbano.
Coleta de sementes: diretamente da árvore quando começar a abertura espontânea dos frutos.
Época de coleta de sementes: maio a julho.
Fruto: legume marrom (vagem), seco, contendo várias sementes por vagem.
Flor: amarela.
Crescimento da muda: rápido.
Germinação: Normal.
Plantio: mata ciliar, área aberta, solo degradado.

Fotos: Miriam Prochnow e Edinho Pedro Schäffer

{%GALERIA%}

Fonte de Pesquisa
(1)PAU CIGARRA. Disponível em: http://www.cotianet.com.br/jornalatuante/mat036.htm. Data de acesso: 10 mar de 2009.

CANAFÌSTULA. Disponível em: http://naturezadivina.org/comunidade/?q=canaf-stula-0. Data de acesso: 17 mar 2009.

LORENZI, H.  Senna multijuga (Rich) In: LORENZI, H. Árvores  brasileiras: um manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, vol. 1, 3 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2000.

PROCHNOW, M (org). No Jardim das Florestas. Rio do Sul: APREMAVI, 2007. 188p.

Pin It on Pinterest