Restaura Alto Vale realiza plantio em Porto União

Restaura Alto Vale realiza plantio em Porto União

Restaura Alto Vale realiza plantio em Porto União

O mês de setembro acabou de começar e o Projeto Restaura Alto Vale, realizado pela Apremavi com apoio do BNDES, acaba de realizar um plantio de mudas nativas da Mata Atlântica para anunciar a primavera que vem chegando.

A ação foi realizada no dia 1 de setembro no município de Porto União (SC), numa área do Parque Municipal Monge João Maria, localizado na região do Complexo Turístico Morro da Cruz. O enriquecimento dos 2,89 hectares de floresta contou com o plantio de 600 mudas nativas de espécies variadas.

Além dos técnicos da Apremavi, estiveram em campo representantes da Prefeitura Municipal através da Secretarias de Urbanismo, Cultura e Meio Ambiente e do 5º Batalhão de Engenharia de Combate Blindado (5º BE Cmb Bld) da cidade de Porto União.

Participe do Projeto

Se você é agricultor e/ou proprietário de imóvel localizado no Alto e Médio Vale do Itajaí ou no Planalto Norte de Santa Catarina você pode participar do Projeto, basta entrar em contato da seguinte forma:

  • Comunicando interesse a um agente da Epagri ou da Secretaria de Agricultura do seu município; ou,
  • Falando diretamente com a Apremavi pelo telefone (47) 3535-0119, WhatsApp (47) 98855-7323 ou pelo e-mail [email protected]

Critérios para fazer parte do projeto

As áreas a serem recuperadas não podem ser áreas para as quais já exista obrigação de restauro estabelecida por:

  1. termos de compromisso,
  2. termos de ajustamento de conduta, autuações administrativas por infrações à legislação ambiental;
  3. decisões judiciais; e/ou,
  4. condicionantes de licença ambiental.

É obrigatório ter realizado o Cadastro Ambiental Rural – CAR de suas propriedades.

Autora: Carolina Schäffer.

Restaura Alto Vale no Programa Vale Agrícola

Restaura Alto Vale no Programa Vale Agrícola

Restaura Alto Vale no Programa Vale Agrícola

O Projeto Restaura Alto Vale foi tema do Programa Vale Agrícola exibido no último dia 25 de julho. Com apoio do BNDES, o projeto tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade.

A coordenadora do projeto, Edilaine Dick, comenta a participação no programa: “por ser um programa de ampla abrangência, nos deu a oportunidade de mostrar para a sociedade o que é o projeto e sensibilizar novas pessoas para participar“.

O Vale Agrícola é um programa semanal que aborda a temática agrícola ao exibir as novidades que são destaque no campo, produtores que se dedicam ao cultivo da terra e assuntos que estão em alta no setor. Traz também curiosidades e receitas com os sabores do campo. Produzido e apresentado pela jornalista Aline Leonhardt, desde 2018, o programa é transmitido ao vivo todos os sábados, tanto pelo Facebook como pelo Youtube, e também vai ao ar durante a semana no canal da TV Brasil.

Restaura Alto Vale é tema do Programa Vale Agrícola exibido no último dia 25 de julho.

Participe do Projeto

Se você é agricultor e/ou proprietário de imóvel localizado no Alto e Médio Vale do Itajaí ou no Planalto Norte de Santa Catarina você pode participar do Projeto, basta entrar em contato da seguinte forma:

  • Comunicando interesse a um agente da Epagri ou da Secretaria de Agricultura do seu município; ou,
  • Falando diretamente com a Apremavi pelo telefone (47) 3535-0119, WhatsApp (47) 98855-7323 ou pelo e-mail [email protected]
Critérios para fazer parte do projeto

As áreas a serem recuperadas não podem ser áreas para as quais já exista obrigação de restauro estabelecida por:

  1. termos de compromisso,
  2. termos de ajustamento de conduta, autuações administrativas por infrações à legislação ambiental;
  3. decisões judiciais; e/ou,
  4. condicionantes de licença ambiental.

É obrigatório ter realizado o Cadastro Ambiental Rural – CAR de suas propriedades.

Autora: Carolina Schäffer.

Apremavi vence 27º Prêmio Expressão de Ecologia em duas categorias

Apremavi vence 27º Prêmio Expressão de Ecologia em duas categorias

Apremavi vence 27º Prêmio Expressão de Ecologia em duas categorias

O Viveiro Jardim das Florestas acaba de vencer, na categoria Tecnologia, o 27º Prêmio Expressão de Ecologia, a maior premiação ambiental do Sul e de maior longevidade no país. Este ano o Prêmio teve a participação de 164 cases inscritos das principais empresas, ONGs, prefeituras e entidades da região.

Além do prêmio recebido pelo Viveiro Jardim das Florestas, a Apremavi também recebe o Troféu Onda Verde na categoria Restauração de Áreas Degradadas pelo Projeto Restaura Alto Vale. Em 27 meses de atuação o projeto já mapeou 200 hectares de áreas degradadas e restaurou 164 hectares de áreas de preservação permanente (APP) localizadas em 32 municípios das regiões do Alto Vale do Itajaí e Planalto Norte de Santa Catarina. No total, 166.910 mudas de árvores nativas foram entregues.

Criado pela Editora Expressão em 1993, um ano após a Conferência Mundial do Meio Ambiente no Rio de Janeiro – Eco 92, com o propósito de divulgar as ações ambientais das empresas da região Sul do Brasil e incentivar que outras seguissem o mesmo caminho, o Prêmio Expressão de Ecologia tem o reconhecimento do Ministério do Meio Ambiente e já contou com a participação de 2.920 cases inscritos, tendo a Apremavi vencido por 11 vezes. Conheça aqui os vencedores de 2020.

Além dos vencedores deste ano, todos os 164 projetos inscritos na premiação serão divulgados no Guia de Sustentabilidade 2020 – um anuário digital e impresso organizado pela Editora Expressão que retrata as principais ações socioambientais realizadas anualmente na região e mostra também um raio X da sustentabilidade empresarial sulista.

Em função da pandemia de COVID-19 e das recomendações para respeitar o isolamento social, o evento de premiação com a entrega do Troféu Onda Verde aos vencedores ainda não tem data para ser realizado.

Autora: Carolina Schäffer com informações da Editora Expressão.

Atividades do Restaura Alto Vale em tempos de pandemia

Atividades do Restaura Alto Vale em tempos de pandemia

Atividades do Restaura Alto Vale em tempos de pandemia

Durante o período de 17 de março a 17 de maio de 2020, devido a pandemia de COVID-19, respeitando as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do governo do Estado de Santa Catarina e seguindo o princípio da precaução, a equipe do projeto Restaura Alto Vale trabalhou em formato home office.

Mas isso não impediu que diversas atividades fossem realizadas. Nesse período a equipe intensificou o contato a distância com os proprietários que participam do projeto através das redes sociais como WattsApp e Facebook.

Aproveitou para passar orientações e dicas sobre os cuidados com o plantio, e intensificar o monitoramento participativo, permitindo, mesmo a distância, acompanhar como está indo a restauração e orientar o proprietário sobre as melhores práticas além de tirar dúvidas. E a iniciativa deu certo, muitas foram as fotos e vídeos recebidos dos diferentes municípios atendidos.

A divulgação do projeto para a sociedade em geral foi intensificada nesse período, com a edição e publicação de vídeos gravados antes da pandemia, que mostram o contexto do projeto na visão dos beneficiários e parceiros. Os vídeos continuam sendo publicados semanalmente e podem ser acessados no canal do YouTube da Apremavi.

Imagens dos plantios de restauração feitos no âmbito do Projeto Restaura Alto Vale. As fotos foram enviadas pelos agricultores via WhatsApp.

Participações em webinars, atividades de gerenciamento do projeto, elaboração de relatórios, contato com parceiros, também integraram a lista de atividades da equipe.

Nesse período muitos foram os novos cadastros que chegaram de proprietários interessados em fazer parte do Restaura Alto Vale, e aos poucos a equipe está voltando a campo, com todas as medidas de segurança necessárias, para realizar o mapeamento e planejamento dessas áreas. As entregas das mudas também estão sendo retomadas.

Se você tem uma área para restaurar nas regiões Alto e Médio Vale do Itajaí ou Planalto Norte de Santa Catarina, entre em contato com a nossa equipe e faça parte do nosso time de plantadores de florestas.

Para contato com a equipe:

Autora: Edilaine Dick.

Restaura Alto Vale divulga relatório de atividades

Restaura Alto Vale divulga relatório de atividades

Restaura Alto Vale divulga relatório de atividades

Em 27 meses de execução o projeto Restaura Alto Vale, já mapeou 200 hectares de áreas degradadas e restaurou 162 hectares de áreas de preservação permanente (APPs) localizadas em 32 municípios das regiões do Alto Vale do Itajaí e Planalto Norte de Santa Catarina. Envolveu nesse processo 490 agricultores familiares.

Desde o início de sua execução, o projeto contribui para a adequação ambiental de propriedades rurais, uma vez que todas as propriedades atendidas possuem o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e, as áreas a serem restauradas pelo projeto, estão de acordo com os passivos identificados no CAR podendo inclusive, a critério do proprietário, serem ampliadas.

Visita técnica da equipe do projeto para avaliação da área a ser restaurada. Foto: Arquivo Apremavi.

O Restaura Alto Vale conta com uma ampla rede de parceiros como associações, cooperativas, sindicatos, prefeituras, empresas, universidades, institutos e agentes de saúde. Todos esses parceiros atuam como interlocutores do projeto junto ao público prioritário.

A geração de conhecimento sobre restauração também faz parte do leque de atividades do projeto, que tem no seu escopo subprodutos como estudos sobre a composição florística das APPs do Alto Vale do Itajaí, o acompanhamento da relação entre restauração e qualidade de água de nascentes, e, a elaboração de um guia de monitoramento para restauração de áreas degradadas.

Confira os resultados em números até o momento:

  • 490 famílias atendidas
  • 200 hectares mapeados
  • 162 hectares de APPs em processo de restauração
  • 4,28 hectares restaurados na RPPN Serra do Lucindo
  • 296 nascentes restaurada
  • Modernização do Viveiro de Mudas Jardim das Florestas
  • 166.910 mudas entregues
  • 24 nascentes com o monitoramento da qualidade da água
  • Levantamento florístico das APPs da região do Alto Vale do Itajaí
  • 425 estudantes envolvidos em atividades de educação ambiental
  • 4 eventos de capacitação, intercâmbios e dias de campo com a participação total de 70 pessoas
  • Planejamento, monitoramento e transparência pelo Portal Ambiental da Apremavi
  • 12 empregos diretos gerados

Todos esses resultados estão detalhados no relatório resumo do projeto, que pode ser acessado aqui.

O projeto continua em andamento. Para participar basta entrar em contato pelo telefone (47) 3535-0119, whatsapp (47) 98855-7323 (somente mensagens), ou realizar o seu cadastro aqui.

Equipe do Restaura Alto Vale durante visita técnica para entrevista com agricultores sobre a participação no projeto. Foto: Arquivo Apremavi.

O Restaura Alto Vale

O projeto Restaura Alto Vale é executado pela Apremavi e tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí e no Planalto Norte de Santa Catarina.

Tem o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, tendo sido aprovado no edital BNDES Restauração Ecológica – Foco 01/2015. 

Autora: Edilaine Dick.

Agentes de Saúde de Atalanta passam por capacitação na Apremavi

Agentes de Saúde de Atalanta passam por capacitação na Apremavi

Agentes de Saúde de Atalanta passam por capacitação na Apremavi

Unindo esforços com a Prefeitura Municipal de Atalanta, a Apremavi está promovendo ações visando a conservação dos recursos hídricos do município e para que a conscientização da população sobre a causa ambiental aconteçam de forma efetiva.

Ao longo de sua existência a Apremavi já desenvolveu vários projetos que visam a recuperação de áreas degradadas localizadas especialmente em áreas de preservação permanente. Entre os projetos atuais estão o Restaura Alto Vale, o Bosques de Heidelberg e o Clima Legal. Atualmente a Prefeitura de Atalanta está desenvolvendo o Programa Água Boa que tem como objetivo auxiliar os proprietários de imóveis na realização do Cadastro Ambiental Rural (CAR), na restauração de áreas degradadas e em outras ações que visam a conservação dos recursos hídricos.

Uma importante atividade realizada no âmbito da parceria entre a Apremavi e a Prefeitura foi a realização de uma oficina de capacitação com as agentes de saúde do município de Atalanta, no dia 17 de março de 2020, no Centro Ambiental Jardim das Florestas. Durante a oficina aconteceu uma visita ao Viveiro de Mudas Jardim das Florestas e uma capacitação onde foram tratados assuntos como a importância da Mata Ciliar e o cumprimento do Código Florestal. Além disso, como técnicas que realizam o contato direto com os proprietários, as agentes também receberam orientações sobre melhores abordagens para instruir os moradores a participar dos projetos da Apremavi e da Prefeitura.

Para Tatiana Vogelbacher, técnica do projeto Restaura Alto Vale essa capacitação é de suma importância. “As agentes de saúde realizam visitas em todas as residências do município e serão responsáveis por passar as orientações sobre a importância dos cuidados com os recursos hídricos e restauração das áreas degradadas”, destaca Tatiana.

Com essa parceria teremos água boa e qualidade de vida para a toda comunidade de Atalanta, e consequentemente a diminuição das doenças vinculadas a água não tratada”, comenta Juarez Miguel Rodermel, prefeito do município.

Em Atalanta, o Projeto Restaura Alto Vale já beneficiou 44 proprietários rurais, que correspondem a 5,41% das propriedades do município. Já foram restaurados 13,51 hectares que correspondem a 16,66% do passivo ambiental, conforme dados cadastrados no CAR.

Capacitação com as agentes de saúde do município de Atalanta (SC) aconteceu no dia 17 de março de 2020 no Centro Ambiental Jardim das Florestas. Foram abordados temas como a importância dos recursos hídricos e do cumprimento do Código Florestal​. Fotos: Arquivo Apremavi.

Autora: Edilaine Dick.
Revisão: Carolina Schäffer.

Projeto Restaura Alto Vale promove conhecimento científico

Projeto Restaura Alto Vale promove conhecimento científico

Projeto Restaura Alto Vale promove conhecimento científico

Durante o período de agosto de 2018 a julho de 2019, o pesquisador Robson Carlos Avi do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI), realizou expedições em 30 municípios localizados no Alto Vale do Itajaí (SC), região de abrangência do projeto Restaura Alto Vale.

O objetivo do trabalho foi realizar o levantamento florístico e fitossociológico das matas ciliares da região. Esta base de dados fornecerá informações básicas que poderão contribuir com a implantação de programas de proteção, enriquecimento e recuperação de matas ciliares, especialmente da região.

O resultado do estudo foi surpreendente, em 60 pontos amostrados, de áreas em estágio médio ou avançado de regeneração, foram catalogados 7.269 indivíduos, pertencendo a 426 espécies e 60 famílias botânicas.

Esse resultado mostra a grande diversidade de espécies presentes na região, visto que o Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina, identificou 823 espécies para o estado.

O estudo realizado é uma das atividades previstas no projeto Restaura Alto Vale, e em breve o estudo será publicado pelo pesquisador por meio de artigos científicos e outros meios de comunicação.

De acordo com Robson “A pesquisa desenvolvida confirma o quanto a região do Alto Vale é rica em biodiversidade e solidifica ainda mais a importância de pesquisas e ações de conservação da sua flora. O conhecimento sobre a comunidade vegetal que ocorre nas áreas ciliares, facilitará programas de restauração e enriquecimento, reduzindo tempo e custos, pois embasados em uma metodologia científica confiável temos conhecimento de espécies mais adaptadas e mais abundantes na vegetação ciliar da região”.

 

Em destaque, área amostrada em Atalanta (SC). Demais imagens são de pontos amostrados para o levantamento florístico e fitossociológico elaborado no âmbito do Projeto Restaura Alto Vale, da Apremavi. Fotos: Robson Carlos Avi.

Autora: Edilaine Dick.

Projeto Restaura Alto Vale na RPPN Serra do Lucindo

Projeto Restaura Alto Vale na RPPN Serra do Lucindo

Projeto Restaura Alto Vale na RPPN Serra do Lucindo

Em setembro as atividades do projeto Restaura Alto Vale iniciaram na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Serra do Lucindo, localizada em Bela Vista do Toldo (SC).

Entre os dias 02 a 04 foram plantadas 1.200 mudas de 30 espécies nativas da Mata Atlântica, em especial clímax e secundárias. Araucária, Imbuia, Cedro, Canjerana, Erva-mate, Peroba, Tarumã, Guabiroba, Pinheiro-bravo, foram algumas das espécies utilizadas para enriquecer uma área de 4,28 hectares de floresta secundária que no passado era utilizada para agricultura.

O plantio foi realizado pela equipe do projeto Restaura Alto Vale, estagiários e moradores locais. Além do plantio das mudas outras ações como corte e controle de espécies exóticas, roçadas e manutenção de cercas foram realizadas para complementar a metodologia utilizada.

E, para auxiliar ainda mais na conservação da RPPN, três proprietários de áreas rurais vizinhas à RPPN irão recuperar as áreas de preservação permanente localizadas em afluentes e nas margens do rio Barra Mansa, ação essa apoiada pelo projeto Restaura Alto Vale e pelo projeto Clima Legal.

O estagiário Luan Ferreira dos Santos, que auxiliou no plantio, comenta que conhecer a RPPN e ver a sua evolução através das fotos e relatos dos moradores locais, faz ter a certeza da importância da unidade de conservação e do trabalho que está sendo realizado. “A comunidade está engajada nas ações e está despertando o interesse de fazer o mesmo. Além disso, contribuir no enriquecimento da reserva é gratificante, pois tenho certeza que será mantida para as futuras gerações”, complementa Luan.

Projeto Restaura Alto Vale realiza plantio de recuperação de 4,28 hectares de área degradada na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Serra do Lucindo. Foto: Edilaine Dick.

Autora: Edilaine Dick.

Projeto Restaura Alto Vale capacita agentes de saúde

Projeto Restaura Alto Vale capacita agentes de saúde

Projeto Restaura Alto Vale capacita agentes de saúde

A preocupação com os recursos hídricos tem sido constante desde o momento da concepção do Projeto Restaura Alto Vale e ganha força à medida que o projeto avança, que agricultores são mobilizados e novas parceiras são desenhadas.

Em fevereiro de 2019, para ampliar suas ações o Restaura Alto Vale somou esforços com o programa “Cuidar da água é cuidar da saúde” que tem por objetivo melhorar a qualidade dos mananciais hídricos da área rural do município de Imbuia – SC. De acordo com a coordenadora do programa, Tatiana Possani, as agentes comunitárias de saúde (ACS), por terem contato direto com os agricultores, são uma das principais interlocutoras do programa e tem a incumbência de levar informação de qualidade à todas as propriedades visitadas no município.

Por tanto, o primeiro passo foi forcener atividades de capacitação para as agentes, que participaram no dia 15 de maio de 2019 de palestras, visita de campo à áreas restauradas pela Apremavi e puderam conhecer o Viveiro de Mudas Jardim das Florestas e acompanhar de perto um pouco do trabalho desenvolvido pela Apremavi.

Por conta da parceria da Apremavi com o município de Imbuia – SC, mais de 30 propriedades já receberam a visita das agentes de saúde e da equipe técnica da Apremavi e agora aguardam o recebimento das mudas de árvores nativas para iniciar a restauração das áreas degradadas previamente identificadas no mapeamento.

Para a ACS Azenir Aparecida Boll é um prazer participar do projeto, “principalmente por estimular e preservar as nossas fontes de água, pois água é sinônimo de qualidade de vida e saúde”. Claudiane Steinheuser Scheidt, comenta que o projeto é uma ótima maneira de acompanhar de perto que acontece nas comunidades e fazer parte da mudança, “mesmo quem não reside na área rural tem interesse em fazer a restauração em seus sítios” enfatiza.

Uma outra ação realizada no âmbito do Restaura Alto Vale aconteceu no dia 05 de julho de 2019 quando uma equipe formada por agricultores, agentes de saúde e funcionários da Secretaria de Agricultura do município de Rio do Campo – SC, participaram de um dia de campo na Apremavi, com o intuito de formalizar parceria com o projeto Restaura Alto Vale e expandir os cuidados com os recursos hídricos.

Para Jony Dey Mertens, agricultor do município de Rio do Campo – SC, a visita na Apremavi foi muito importante “foi perceptível que é possível resgatar as nossas florestas e a biodiversidade, e principalmente, agora podemos aplicar o que foi visto aqui na Apremavi na nossa propriedade e estimular outros proprietários a participarem do projeto”.

Autora: Edilaine Dick.

Restaura Alto Vale realiza dia de campo sobre agricultura orgânica e restauração florestal

Restaura Alto Vale realiza dia de campo sobre agricultura orgânica e restauração florestal

Restaura Alto Vale realiza dia de campo sobre agricultura orgânica e restauração florestal

No último dia 12 de março o Centro Ambiental Jardim das Florestas, em Atalanta (SC), sediou uma atividade de campo do projeto Restaura Alto Vale que teve a participação de agricultores e técnicos dos municípios de Alfredo Wagner, Chapadão do Lageado e Imbuia (SC).

Edilaine Dick, coordenadora do projeto, destacou que o dia de campo foi criado para ser um espaço de troca de experiências sobre restauração florestal e agricultura orgânica. “Para nós também é importante que os participantes do projeto entendam a importância do monitoramento das áreas restauradas para avaliação do reestabelecimento dos processos ecológicos e funções do ecossistema“, completou Edilaine.

Afonso Klopel, agricultor do município de Ituporanga (SC) e um dos primeiros agricultores orgânicos da região do Alto Vale do Itajaí, foi um dos convidados do evento e compartilhou sua trajetória na agricultura orgânica, desafios enfrentados e a importância de superá-los. “A conservação das sementes para perpetuação das espécies é de extrema importância na agricultura“, destacou Afonso ao dar dicas sobre melhores técnicas para conservar as sementes.

Além das rodas de conversa sobre restauração florestal e agricultura orgânica, o dia de campo também teve visitas ao Viveiro Jardim das Florestas, a algumas áreas restauradas pela Apremavi e uma ida à propriedade da Ursula e Emil Berschinock, produtores orgânicos de Atalanta (SC).

Para Tatiana Possani, agente da vigilância sanitária de Imbuia (SC), a troca de experiências foi muito proveitosa e não poderia ter sido num lugar melhor. “O Alto Vale é privilegiado por ter a Apremavi visto que a maioria de suas atividades são em benefício do pequeno agricultor, o auxiliando na restauração das matas ciliares e no planejamento de suas propriedades“, comentou Tatiana.

Autoras: Edilaine Dick e Carolina Schäffer.

Restaura Alto Vale dedica semana a construção e fortalecimento de parcerias

Restaura Alto Vale dedica semana a construção e fortalecimento de parcerias

Restaura Alto Vale dedica semana a construção e fortalecimento de parcerias

A Apremavi acredita que uma das formas de garantir o sucesso de um projeto é através da construção e do fortalecimento de parcerias, por conta disso, nos dias 19 e 20 de fevereiro a equipe do projeto Restaura Alto Vale esteve no Centro de Motivação Ecológica e Alternativas Rurais (CEMEAR) e na Secretaria de Agricultura e Departamento de Meio Ambiente (SADEMA) de Presidente Getúlio, e, se reuniu com o Prefeito Municipal de Rio do Campo e com a agente de Assistência Técnica e Extensão Rural do município. As reuniões tiveram como objetivo a apresentação do projeto Restaura Alto Vale no intuito de unir esforços com projetos já existentes nesses municípios e na região e assim num esforço único tornar as práticas agrícolas mais sustentáveis e incentivar a conservação e recuperação de recursos hídricos.

No dia 21 de fevereiro os parceiros do Restaura Alto Vale se reuniram no Centro Ambiental Jardim das Florestas, em Atalanta, para acompanhar a reunião anual do projeto. Durante o encontro foram apresentados os resultados alcançados com o projeto no ano de 2018, além disso, a equipe conversou sobre eventuais mudanças nos rumos das atividades, estratégias para fortalecimento das parcerias já consolidadas e desenhou o planejamento dos trabalhos para 2019. Ao final do dia os participantes tiveram a oportunidade de conhecer as instalações e obras de ampliação do Viveiro Jardim das Florestas.

Já no dia 22 de fevereiro, a coordenadora do Restaura Alto Vale, Edilaine Dick, apresentou o projeto, seus objetivos e resultados alcançados até o momento durante a Assembleia Geral da Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí (AMAVI), em Rio do Sul. “O apoio das prefeituras no cadastramento dos agricultores junto ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) e seu engajamento em projetos como o Restaura Alto Vale são de extrema importância para garantir não só o sucesso do projeto, mas também a conservação e recuperação do meio ambiente“, ressaltou Edilaine para os prefeitos presentes no evento.

Antes de encerrar a semana a equipe do projeto ainda conseguiu um tempinho para testar o novo protocolo de monitoramento que está sendo elaborado pela Apremavi para melhor acompanhamento de seus projetos. O teste em questão foi efetuado em propriedades atendidas pela instituição localizadas nos municípios de Dona Emma e Trombudo Central. Em breve traremos mas informações sobre o protocolo, aguardem!

Autoras: Edilaine Dick e Carolina Schäffer.

Apremavi realiza encontro de Viveiristas

Apremavi realiza encontro de Viveiristas

Apremavi realiza encontro de Viveiristas

Durante o último dia 31 de outubro representantes de cinco viveiros das regiões do Alto Vale do Itajaí e Planalto Norte de Santa Catarina se reuniram no Centro Ambiental Jardim das Florestas, da Apremavi, para participar de um encontro que promoveu a troca de experiências e informações sobre o funcionamento de Viveiros Florestais e sobre o processo de produção de mudas de árvores nativas.

O encontro começou com a palestra do Maicon D. Duffecky, proprietário do Viveiro Florestal Dufatto, sobre a produção de mudas em tubetes e a técnica de enxertia de araucárias. Para Maicon o sucesso do Viveiro Dufatto está baseado em dois pilares:  a inovação e a sucessão. “Estou sempre buscando novas tecnologias e envolvendo a minha família e a de meus colaboradores nas atividades diárias“, disse Maicon que esteve acompanhado do filho, Rian, de apenas 04 anos durante todo o encontro.

Apresentação do Maicon Duffecky no Curso de Viveiristas da Apremavi. Foto: Edilaine Dick.

Na sequência, Leondres R. Borges, conhecido popularmente como “Seu Shiluca”, falou sobre o método de produção através da propagação de mudas por raízes. “Aprendi a técnica sozinho, experimentando, testando e aprimorando a produção observando os erros e acertos e, hoje, a ensino para outros viveiritas e interessados“, disse Leondres que produz em seu viveiro particular diversas mudas que são doadas para moradores do município de Lontras (SC).

O encontro foi finalizado com uma visita do grupo às instalações do Viveiro Jardim das Florestas, da Apremavi. Durante a visita foram trocadas experiências sobre o processo de produção de mudas em saquinho, a coleta de sementes, a formação e manutenção de sementeiras, além de uma rápida vistoria nas instalações de ampliação e modernização do Jardim das Florestas que estão em andamento no momento.

Para Sidnei Prochnow, que trabalha na produção de mudas da Apremavi a cerca de 20 anos, o dia foi de muito aprendizado: “pudemos esclarecer várias dúvidas do dia-a-dia como viveiristas e ensinar nossas técnicas para os colegas de ofício“. Robson Avi, do Horto Florestal da Unidavi, destacou a troca de experiências muito válida: “foi possível conhecer técnicas utilizadas em diferentes Viveiros da Região e estabelecer contatos facilitando futuras trocas de informações e materiais“.

Esse intercâmbio entre viveiristas é uma das ações previstas no Projeto Restaura Alto Vale, executado pela Apremavi com financiamento do BNDES.

Autora: Edilaine Dick.

Bosques de Heidelberg chega ao Planalto Norte Catarinense

Bosques de Heidelberg chega ao Planalto Norte Catarinense

Bosques de Heidelberg chega ao Planalto Norte Catarinense

Nos dias 24 e 25 de setembro a Apremavi implantou os primeiros “Bosques de Heidelberg” no município de Canoinhas, localizado na região do Planalto Norte de Santa Catarina.

O Projeto Bosques de Heidelberg é fruto da parceria entre a Apremavi e a ONG Alemã BUND – Freunde der Erde. O BUND é uma organização sediada em Heidelberg, no sul da Alemanha, que trabalha desde 1976 pela proteção e conservação ambiental desenvolvendo projetos com foco especial na educação e conscientização de jovens e adultos.

A implantação dos Bosques foi feita através do plantio de mudas de árvores nativas. Um dos Bosques foi plantado em uma área no Quartel da Policia Militar Ambiental, e o outro Bosque foi plantado na propriedade do Selmo Steilein. Ao todo foram plantadas 1.100 mudas de árvores nativas.

Coordenado por Edegold Schaffer e Maíra Ratuchinski, funcionários da Apremavi, os plantios contaram com a participação do prefeito municipal de Canoinhas, do secretário de obras do município, de professores do Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC, de professores da rede pública municipal, de estudantes e ambientalistas mirins, da equipe da Polícia Ambiental, de alguns servidores municipais, e, com a família do Selmo Steilein, proprietário do terreno aonde o plantio foi feito.

O Major Froehner, comandante da 3ª Companhia da Policia Militar Ambiental (PMA), e o Sargento Leonardo Joriel de Quadros, agradeceram imensamente a implantação dos Bosques de Heidelberg em Canoinhas e informaram que esses plantios vão ajudar a potencializar os projetos de educação ambiental já desenvolvidos pela PMA, como o Programa Unidos pelo Meio Ambiente (PUMA) e o Programa Protetor Ambiental Mirim.

Após o plantio dos Bosques, Edegold e Maíra visitaram seis famílias de agricultores, dos municípios de Canoinhas e Bela Vista do Toldo, que aderiram ao Projeto Restaura Alto Vale e irão realizar, com o apoio do projeto, a restauração das Áreas de Preservação Permanente (APPs) de suas propriedades.

Para Edilaine Dick, coordenadora do projeto Restaura Alto Vale, a restauração de APPs nessas propriedades em Bela Vista do Toldo é de extrema importância. “As áreas a serem restauradas são vizinhas da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Serra do Lucindo, de propriedade da Apremavi, e sua restauração possibilita a ampliação do fragmento florestal ali encontrado“, complementou Edilaine.

Autores: Edegold Schaffer, Maíra Ratuchinski e Edilaine Dick.
Revisão: Carolina Schäffer.
Fotos: Edegold Schaffer e Maíra Ratuchinski.

Apremavi realiza Encontro com ONGs do Paraná e de Santa Catarina

Apremavi realiza Encontro com ONGs do Paraná e de Santa Catarina

Apremavi realiza Encontro com ONGs do Paraná e de Santa Catarina

A Apremavi foi sede do 1º Encontro de ONGs do Paraná e Santa Catarina com projetos apoiados pelo edital BNDES Restauração Ecológica – Foco 01/2015. O encontro foi realizado nos dias 13 e 14 de setembro de 2018, contou com a participação das ONGs Mater Natura Instituto de Estudos Ambientais, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) e Apremavi.

O encontro teve como objetivo criar um espaço para troca de experiências entre os projetos apoiados pelo BNDES no sul do Brasil, sobre metodologias utilizadas, êxitos edificuldades. E, promover uma conversa mais ampla sobre restauração, cenários futuros, ganho de escala na restauração, replicação de iniciativas de êxito, conectividade e estratégias de ganho de escala de conservação no território, entre outros.

Durante o encontro participantes visitaram propriedades do Projeto Restaura Alto Vale. Foto: Maira Ratuchinski.

Além de muito diálogo, o encontro proporcionou aos participantes, visita de campo as propriedades dos senhores Nilton Hubler e Valmor Gonçalves localizada em Agrolândia e do senhor Sergio Buzana localizada em Trombudo Central. Ambas são beneficiarias do projeto Restaura Alto Vale.

O encontro com as ONGs e o Seminário foram acompanhados por Marcos Ferran, gestor do projeto e representante do BNDES, que destacou o encontro como uma troca de experiências enriquecedora sobre aspectos e questões associadas a projetos dessa natureza. Foram discutidas soluções para problemas em comum e sinergias que podem ser trabalhadas.

Autora: Edilaine Dick.

Seminário Regional – Restaura Alto Vale é realizado pela Apremavi

Seminário Regional – Restaura Alto Vale é realizado pela Apremavi

Seminário Regional – Restaura Alto Vale é realizado pela Apremavi

Cento e cinquenta pessoas, entre técnicos, estudantes, professores, agricultores, e demais interessados no tema da Restauração, participaram do Seminário Regional – Restaura Alto Vale realizado pela Apremavi no dia 13 de setembro de 2018, em Rio do Sul (SC).

Edilaine Dick, coordenadora de projetos da Apremavi, abriu o seminário explicando o que é e quais são os abjetivos do projeto Restaura Alto Vale, além de falar da importância do projeto para a região do Alto Vale do Itajaí.

Em seguida o professor Ricardo Ribeiro Rodrigues, professor do Departamento de Ciências Biológicas da ESALQ/USP, falou sobre a “Importância da restauração florestal nas propriedades rurais da Mata Atlântica”, apresentou exemplos práticos, resultados de plantios de restauro e ressaltou o papel e responsabilidades do proprietário rural com a restauração de áreas degradadas.

Leandro da Rosa Casanova, assessor florestal da Apremavi, concluiu o seminário falando sobre a “Legislação ambiental aplicada a pequena propriedade rural” e destacou a importância do projeto Restaura Alto Vale como apoiador no cumprimento da legislação ambiental.

Ricardo Rodrigues, professor da ESALQ/USP, falou sobre a importância da restauração florestal nas propriedades rurais. Foto: Marcos A. Danieli.

Para Marcos Ferran, gestor do projeto e representante do BNDES, a programação promovida pela Apremavi foi excelente, “no Seminário as apresentações tiveram caráter bastante esclarecedor e foram acompanhadas por rodadas de perguntas e respostas que complementaram positivamente o tema“.

O seminário foi muito bem organizado e agregou conhecimentos valiosos à nós, técnicos da SPVS. Toda a equipe da APREMAVI está de parabéns pelo sucesso do encontro e principalmente pelo Projeto Restaura Alto Vale“, ressaltou Maria Vitória Yamada Müller, coordenadora do projeto Conexão Araucária, executado pela SPVS.

Projeto Restaura Alto Vale

Tem como principal objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí, SC. São parceiros do projeto a AMAVI, a UNIDAVI, a EPAGRI, a Prefeitura Municipal de Atalanta e o ICMBio, assim como vários outros atores locais.

Com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, o Restaura Alto Vale é uma ótima oportunidade para o agricultor familiar recuperar as áreas de preservação permanente de sua propriedade e adequar-se à legislação ambiental.

Agricultores interessados em participar do projeto podem entrar em contato da seguinte forma:

  • Comunicando interesse a um técnico da Epagri; ou,
  • Diretamente com a Apremavi pelos telefones (47) 3521-0326 e 3535-0119 ou pelo e-mail: [email protected].

Autora: Edilaine Dick.

Apremavi promove Seminário sobre Restauração Florestal

Apremavi promove Seminário sobre Restauração Florestal

Apremavi promove Seminário sobre Restauração Florestal

No dia 13 de setembro de 2018 a Apremavi realizará, no Campus da Unidavi em Rio do Sul (SC), o Seminário Regional – Restaura Alto Vale.

O seminário tem o objetivo de divulgar o projeto Restaura Alto Vale para diferentes públicos da região do Alto Vale do Itajaí e sensibilizá-los sobre a importância da conservação e restauração da Mata Atlântica em pequenas propriedades rurais.

São convidados a participar do seminário prefeitos municipais, secretários de agricultura e meio ambiente, técnicos e extencionistas rurais, lideranças locais, agricultores, estudantes e público em geral.

A Restauração Florestal é uma aliada dos agricultores no cumprimento do Código Florestal. Foto: Arquivo Apremavi.

Programação

13:30 Recepção e inscrições.

13:45 Boas vindas e abertura do seminário com parceiros do projeto.

14:00 Apresentação do projeto Restaura Alto Vale com Edilaine Dick – coordenadora do projeto / Apremavi.

14:30 Importância da restauração florestal nas propriedades rurais da Mata Atlântica com Ricardo Ribeiro Rodrigues – professor do Departamento de Ciências Biológicas da ESALQ/USP.

15:45 Intervalo e café.

16:00 Legislação ambiental aplicada à pequena propriedade rural com Leandro da Rosa Casanova – assessor florestal / Apremavi.

17:15 Encerramento.

Não há custo com a inscrição para participação no seminário.

Mais informações e/ou inscrições devem ser realizadas até o dia 06/09/2018, com Edilaine através do e-mail [email protected] ou com Taís através dos telefones (47) 98855-7323 ou 3535-0119.

Nos ajude a divulgar o evento! Compartilhe o convite nas suas redes sociais. Foto: Arquivo Apremavi.

Inscrição

As inscrições estão encerradas.

Sobre os palestrantes

Ricardo Ribeiro Rodrigues possui Graduação em Ciências Biológicas, é mestre e doutor em Biologia Vegetal. É professor titular do Departamento de Ciências Biológicas da ESALQ/Universidade de São Paulo. Atua na área de Ecologia e Restauração Florestal e é coordenador do Laboratório de Ecologia e Restauração Florestal (LERF/LCB/ESALQ/USP). No LERF coordena o Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais. É coordenador do projeto Restauração Ecológica de Florestas Ciliares, de Florestas Nativas de Produção Econômica e de Fragmentos Florestais Degradados (em APP e RL), com Base na Ecologia de Restauração de Ecossistemas de Referência.

Leandro da Rosa Casanova é formado em Engenharia Florestal e é especialista em Gestão de Recursos Hídricos em Áreas Urbanas. Possui mais de 20 anos de experiência na coordenação e execução de projetos ambientais com o envolvimento do agricultor familiar na conservação e restauração florestal. É assessor florestal da Apremavi. Possui ampla experiência em cursos de capacitação e realização de palestras na área ambiental e florestal.

Autora: Edilaine Dick.

Projeto Restaura Alto Vale no Planalto Norte

Projeto Restaura Alto Vale no Planalto Norte

Projeto Restaura Alto Vale no Planalto Norte

Nove municípios de Santa Catarina, pertencentes à região denominada como Planalto Norte, serão beneficiadas pelo projeto Restaura Alto Vale. No mês de junho de 2018, a equipe da Apremavi, participou de eventos e realizou reuniões para divulgar o projeto e falar sobre conservação e restauração florestal.

No dia 06 de junho, a Apremavi participou da I Jornada Agroecológica do Planalto Norte Catarinense, que ocorreu no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) Câmpus Canoinhas. O objetivo do evento foi reunir agricultores, estudantes, pesquisadores, entidades públicas e privadas para refletir sobre o fortalecimento da produção sustentável da agricultura familiar.

No período da tarde, Leandro Casanova da Apremavi ministrou uma palestra abordando sobre a Floresta e a exploração de recursos não madeiráveis, e explicou também sobre o projeto Restaura Alto Vale.

Visita de campo do Projeto Restaura Alto Vale. Foto: Arquivo Apremavi.

No dia seguinte, Leandroe a Técnica Maíra, visitaram a propriedade do senhor Claudio Dranka Pasienski, localizada na comunidade de Arroios, município de Canoinhas (SC), onde realizaram uma primeira conversa, mencionando e esclarecendo dúvidas sobre o projeto, e realizando o planejamento das atividades a serem realizadas nesta propriedade.

Visita na propriedade de Claudio Dranka. Foto: Arquivo Apremavi.

Já no dia 15 de junho, uma equipe do Planalto Norte, formada pelo professor Lauro William Petrentchuk, do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC Campus Canoinhas) e os Policias Militares Ambientais da 3º Companhia do 2º Batalhão da Polícia Militar Ambiental de Canoinhas, Sargento Leonardo Joriel de Quadros e do Cabo Luís Mateus Moreschi, visitaram a sede da Apremavi em Atalanta (SC).

O objetivo da visita foi buscar uma maior aproximação entre as instituições e discutir parcerias para a região do Planalto Norte, entrando o projeto Restaura Alto Vale na pauta da reunião, bem como um planejamento futuro para realização de seminário, cursos e exposição sobre a Mata Atlântica naquela região.

Visita da equipe do Planalto Norte em Atalanta. Foto: Arquivo Apremavi.

Autoras: Maira Ratuchinski e Edilaine Dick.

Restaura Alto Vale em Campo

Restaura Alto Vale em Campo

Restaura Alto Vale em Campo

No dia 03 de maio foi realizada uma capacitação e reunião inicial com toda a equipe que fará parte do projeto Restaura Alto Vale e alguns parceiros, com estudo detalhado da legislação vigente como o Código Florestal (Lei nº 12.727/2012), que embasará a adequação ambiental das propriedades que serão atendidas neste projeto.

No período da tarde do mesmo dia, a equipe visitou a primeira propriedade que será atendida pelo projeto, localizada em Trombudo Central (SC). Na propriedade de Sergio e Solange Buzana será realizada a restauração de áreas de preservação permanente hídricas, ao redor de nascentes e cursos da água que fornecem água para a propriedade, tanto para a família e para o gado. Nesta propriedade em questão o projeto irá doar as mudas e fazer o acompanhamento técnico, e a família se responsabilizará pela construção da cerca e plantio das mudas.

Sergio Buzana conta que percebeu a importância da restauração da Mata Ciliar a um tempo atrás, quando restaurou uma pequena área em sua propriedade. “Notei que o rio e a nascente começaram a verter água novamente, e é essa água que abastece a nossa casa hoje ”, comenta Sergio.

Técnicos da Apremavi durante visita de campo realizada em uma das propriedades do projeto. Foto: Arquivo Apremavi.

No dia 04 de maio, a equipe de campo do projeto, realizou visitas aos escritórios locais da Epagri nos municípios de Witmarsun e Vitor Meireles (SC), onde conversaram com os técnicos Pedro Paulo Chiminello e Maíra Elena Borges da Costa a fim de planejar os próximos passos para atendimentos das famílias cadastradas nesses municípios.

A semana do dia 07 a 11 de maio está sendo dedicada as visitas de campo à propriedades de Atalanta, e, capacitação da equipe para utilização da ferramenta CARGEO que permitirá o mapeamento e monitoramento das propriedades atendidas pelo projeto.

 

Entenda o Projeto

O Projeto Restaura Alto Vale, que será executado de 2018 a 2020,  tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí.

Tem o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, tendo sido aprovado no edital BNDES Restauração Ecológica – Foco 01/2015.  O edital tem como objetivo propiciar o aumento da cobertura vegetal com espécies nativas, além de fortalecer a estrutura técnica e de gestão da cadeia produtiva do setor de Restauração Ecológica no Brasil. O edital recebeu mais de 70 propostas, sendo aprovados doze projetos, entre eles o da Apremavi.

São parceiros do projeto a AMAVI, a UNIDAVI, a EPAGRI, a Prefeitura Municipal de Atalanta e o ICMBio, assim como vários outros atores locais.

Autoras: Karen A. Flores; Maíra Ratuchinski e Edilaine Dick.
Fotos: Edilaine Dick e Daiana Tânia Barth.

Apremavi inicia projeto Restaura Alto Vale

Apremavi inicia projeto Restaura Alto Vale

Apremavi inicia projeto Restaura Alto Vale

Restaura Alto Vale é o mais novo projeto da Apremavi. Iniciado em janeiro de 2018 tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí.

O Restaura Alto Vale é uma ótima oportunidade para o agricultor familiar recuperar as áreas de preservação permanente de sua propriedade e adequar-se a legislação ambiental. O projeto conta com o patrocínio do BNDES e tem como parceiros a AMAVI, a UNIDAVI, a EPAGRI, a Prefeitura Municipal de Atalanta e o ICMBio, assim como vários outros atores locais.

Time de parceiros do projeto Restaura Alto Vale. Foto: Arquivo Apremavi.

As atividades práticas já começaram

Durante o mês de janeiro uma equipe de técnicos e viveristas da Apremavi, com apoio do consultor Beto Mesquita, visitou três (03) viveiros no Estado de São Paulo. As visitas serviram para buscar conhecimento e novas tecnologias que podem auxiliar na modernização do processo de produção de mudas nativas do Viveiro Jardim das Florestas.

Já no dia 1º de fevereiro, a equipe da Apremavi participou do “Seminário interno sobre Produção de Mudas e Restauração Florestal” para conversar sobre o conhecimento adquirido pela Apremavi ao longo dos seus 30 anos de experiência e aprofundar o debate a cerca das inovações que devem vir a ser adotadas nos próximos anos.

Beto Mesquita, que também acompanhou o seminário na Apremavi, comenta que para ele foi uma oportunidade única participar deste momento tão importante para a instituição. “Há 30 anos a Apremavi realiza um trabalho fantástico pela proteção e restauração da Mata Atlântica. Raras são as organizações que após três décadas de lutas e resultados se mantêm pujantes e olhando para o futuro. Pouquíssimas tem a estrutura sólida que eles têm. Estou tendo o privilégio de colaborar com este momento, ajudando a planejar as inovações que farão a diferença no Viveiro Jardim da Floresta e nos projetos de restauração que eles executam“, disse Beto.

A reunião técnica de lançamento do projeto ocorreu no dia 06 de fevereiro, no Centro Ambiental Jardim das Florestas em Atalanta (SC) e contou com a presença dos parceiros do projeto.

Para Miriam Prochnow, presidente da Apremavi, todas as atividades executadas no âmbito do projeto até aqui são de muito aprendizado e integração. “Tenho certeza que os próximos passos serão decisivos para ampliar agenda da restauração no Alto Vale do Itajaí e em Santa Catarina“, comentou.

Como fazer parte do projeto?

A Apremavi já possui um cadastro inicial com uma lista de propriedades que serão as parceiras deste projeto. Entretanto poderemos ampliar nosso cadastro e, por isso, solicitamos que todos os agricultores interessados em participar do projeto entrem em contato da seguinte forma:

  • Comunicando interesse a um agente da Epagri ou da Secretaria de Agricultura do seu município; ou,
  • Diretamente com a Apremavi pelos telefones (47) 3521-0326 e 3535-0119 ou pelo e-mail: [email protected]

Entenda o projeto

O Projeto Restaura Alto Vale, que será executado de 2018 a 2020,  tem como objetivo restaurar áreas degradadas da Mata Atlântica, contribuindo com a adequação de propriedades rurais e a conservação de mananciais hídricos e da biodiversidade no Alto Vale do Itajaí.

Tem o apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, tendo sido aprovado no edital BNDES Restauração Ecológica – Foco 01/2015.  O edital tem como objetivo propiciar o aumento da cobertura vegetal com espécies nativas, além de fortalecer a estrutura técnica e de gestão da cadeia produtiva do setor de Restauração Ecológica no Brasil.

O público beneficiário são agricultores familiares, que tenham propriedades com tamanho de até quatro módulos fiscais. A região prioritária será o Alto Vale do Itajaí, mas existe a possibilidade de atuação também no Médio Vale do Itajaí e Planalto Norte de Santa Catarina. Para estarem aptas a receber apoio do projeto, as propriedades deverão estar cadastradas no Cadastro Ambiental Rural, o CAR.

O Restaura Alto Vale é uma ótima oportunidade para o agricultor familiar recuperar as áreas de preservação permanente de sua propriedade e adequar-se a legislação ambiental.

Para saber sobre o projeto clique aqui.

Restauração de áreas degradadas é o objetivo principal do Restaura Alto Vale. Foto: Arquivo Apremavi.

Autoras: Carolina Schäffer e Edilaine Dick.

Pin It on Pinterest